Texto | Considerações sobre a prática avançada de Yoga

O que é uma prática avançada de Yoga? Quem é um praticante avançado?

Como fazer uma pratica avançada de Yoga onlineDesconfio que muitas pessoas responderiam que uma prática avançada é aquela com posturas dificílimas de serem executadas devido a um alto grau de exigência em termos de flexibilidade e força.

Já quem conhece um pouco mais as possibilidades práticas do yoga, certamente se lembrará do pranayama, os exercícios realizados por meio da respiração, e talvez imagine que a prática avançada tenha relação também com o tempo de retenção da respiração, seja de pulmões cheios ou vazios.

E se você ainda lembrou da meditação, saberia como avaliar seu progresso nessa técnica? Será que tem relação com o tempo de permanência de olhos fechados e com as pernas cruzadas?

Não é minha intenção, neste breve texto, esgotar as questões apresentadas. Pretendo apenas fazer dele um convite à reflexão. Deste modo, acredito que podemos desconstruir alguns estereótipos que afastam algumas pessoas da prática de yoga e que também afastam a prática de yoga de sua verdadeira essência.

Para não haver confusão com o uso da palavra “avançada”, é claro que podemos usá-la para nos referir às posturas mais difíceis e aos pranayamas com retenção, de técnicas avançadas visto que elas dependem de toda uma preparação para serem realizadas com segurança e adequação.

Algumas dessas posturas e técnicas respiratórias, inclusive, além de preparação, dependem de aptidão física, nem toda limitação está na mente, como alguns dizem.

No entanto, será que cabe adjetivar de avançada, uma prática como um todo ou um praticante, segundo critérios de força, flexibilidade, fôlego ou pelo tempo que aguenta de pernas cruzadas e olhos fechados?

A meu ver, não mesmo.

Não existe essa relação direta e ainda poderíamos, inclusive, pensar numa lógica inversa. Por exemplo: alguém que necessite da dificuldade e da complexidade de uma técnica para conseguir se concentrar na sua realização, terá avançado quando conseguir o mesmo nível de atenção na execução de uma técnica mais simples.

Por outro lado, aspectos simples podem revelar progresso, como por exemplo, a forma de preparar a base das posturas: o ajuste dos pés, a forma de se sentar; a maneira como se elava ou se estica os braços; o rosto relaxado, uma respiração profunda, tranquila e ritmada; ausência da necessidade de autoafirmação se comparando, se exibindo ou competindo; atenção direcionada para a realização das ações propostas e equanimidade diante dos êxitos e das dificuldades.

Enfim, pode até ser que esses aspectos não sejam tão simples assim, no entanto são realizáveis por qualquer pessoa interessada e comprometida com a prática.

Indo além, considerando as técnicas do yoga como um conjunto de instrumentos auxiliares no caminho do autoconhecimento ou como um meio de obter uma vida relativamente mais plena, fica fácil deduzir que usar o instrumento mais difícil por si só pode não ser tão relevante, quiçá pode até ser desastroso.

Logo, para visualizar e se situar nessa relação entre meios e fins, é fundamental refletir sobre seu objetivo com a prática. Tendo um objetivo, a ideia de avanço assume um sentido mais definido, passa a indicar o progresso ou aproximação em direção a algum ponto e imediatamente deixa de ser uma questão de performance ou de comparação. Então é importante pensar: O que de fato espero e pretendo com o que estou fazendo? Aprofundar essa resposta por si só tem mais a ver com avançar no yoga do que se sentar de pernas cruzadas e olhos fechados por horas.

Nessa altura, apesar de não ser o enfoque do texto, não posso deixar de destacar que a prática de yoga como um todo anda de mãos dadas com um corpo de conhecimento original e único que aponta para o objetivo por de trás de todos os objetivos. E quanto mais forte é esse aperto de mãos, mais aprofundada e ao meu ver, avançada, se torna a prática.

Resumindo, poderíamos então dizer que por um lado, de forma alguma, a capacidade física de uma pessoa determina o nível dela no yoga e pelo outro, que o mais importante é o uso conjugado dos elementos que compõe o yoga de modo abrangente e adequado a nossa constituição psicofísica, ao nosso momento e atividades que desempenhamos e tendo como norte o aprofundamento da visão do nosso objetivo.

Por fim, diria ainda que o que determina se a prática de yoga é ou não avançada não é somente o professor ou a aula proposta. O professor, é claro, deve estar preparado para planejar aulas de todos os tipos, que satisfaçam tanto iniciantes quanto pessoas com anos de prática. Mas, independente da aula proposta, mesmo realizando técnicas mais fáceis, um praticante qualificado faz com que ela seja, para ele, avançada. E um dos grandes segredos para se chegar nesse nível é saber assumir e conservar, diante das aulas e da vida, uma atitude de aprendiz.

Harih Om
Gilberto Schulz

Gostaria de manter o contato para não perder as futuras publicações e informações sobre cursos e eventos? Cadastre-se gratuitamente clicando na imagem abaixo:
yoga-em-casa-aula-particular-online

 

Anúncios

10 Respostas para “Texto | Considerações sobre a prática avançada de Yoga

  1. Pingback: Considerações sobre a prática avançada de Yoga | Estúdio Navrattna | Yoga & Terapias·

  2. Sensacional! Ótimo texto, venho ensaiando escrever sobre o Yoga na minha página, mas, sempre achando não ter tanta propriedade para tal… E, aos poucos descobrindo também que, o Yoga tem sido muito além das fotos postadas que vejo e dos textos colados que leio, vai para o meu íntimo. Me inspirou!

  3. Achei o texto excelente pois dá um suporte muito bom para pessoas que têm limitações ou idade avançada e acham que não podem fazer yoga por conta disto. NAMASTE

  4. Excelente texto.
    Sou praticante e confesso que, durante um bom tempo, eu tive o conceito de que o bom praticante era aquele que fazia as posturas mais acrobáticas. Quando compreendi que não era nada disso, minha prática cresceu, e muito!
    Muito obrigada! _/\_

  5. É importante que a par com as práticas, o praticante procure também conhecer ao menos o básico da filosofia que embasa o Yoga. Se assim o fizer ele, com certeza há de convir que acrobacias não são o objetivo principal do Yoga .

  6. Muito inspirador e gentil esse texto! Resolveu, de maneira simples porém experiente, muitas dúvidas minhas… Obrigada, certamente vou levar essas palavras como ensinamento diário e para a minha prática!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s